Caíque Bom Sucesso

 

A embarcação "Caíque Bom Sucesso", uma réplica do barco que foi ao Brasil dar em primeira mão a boa nova ao Princípe Regente da revolta dos Olhanenses contra as invasões francesas, está disponível para ser alugada permitindo efetuar passeios turísticos na Ria Formosa.

Consulte aqui os Preços Caíque 2014

Consulte a brochura aqui

 
 
História do Caíque:


O caíque foi um dos barcos mais utilizados pelos olhanenses na pesca do alto desde que, no século XVIII, Olhão se tornou um dos mais importantes portos do Algarve e do País. Utilizado também para transporte de mercadorias, caraterizava-se por ser resistente, veloz e de fácil manobra. Pequeno, não tinha mais de 20 metros de comprimento por 4 metros de largura e uma lotação de cerca de 30 toneladas. Possuía dois mastros inclinados e aparelhados com outras tantas velas latinas, o mastro dianteiro comprido e o da ré mais curto. A proa era levantada, a popa baixa e rasa. Em tempo de calmaria podia também ser movido com dois ou três pares de remos. Dispunha de uma cobertura corrida, com três escotilhas a meio. Tais qualidades permitiram que os pescadores olhanenses fizessem ao longo do ano várias temporadas em demanda das costas de Marrocos onde, entre outras espécies, capturavam a pescada, a cavala e o peixe-espada.

No que diz respeito ao caíque de pesca “Bom Sucesso”, este faz parte integrante de um passado glorioso que muito honra Olhão. Quando, após a primeira invasão napoleónica, a corte portuguesa se refugiou no Brasil, foi em Olhão que eclodiu, em junho de 1808, a insurreição contra os intrusos.
E para levar ao príncipe regente D. João a boa nova da expulsão dos franceses, partiu de Olhão, em 6 de julho de 1808, o caíque “Bom Sucesso”. Era um pequeno barco com 17 tripulantes, todos pescadores olhanenses, tendo por mestre Manuel Martins Garrocho e por piloto Manuel de Oliveira Nobre. A viagem demorou mais de dois meses e constituiu um dos maiores feitos da nossa história marítima. Sem mapas nem aparelhos de orientação, os olhanenses atravessaram o Atlântico e arribaram ao Rio de Janeiro a 22 de setembro. Todos os tripulantes regressaram à sua terra, trazendo-lhe o diploma que a agraciava com o honroso título de Vila de Olhão da Restauração.
Deste modo, o caíque “Bom Sucesso” converteu-se no mais emblemático símbolo da identidade cultural olhanense.

Assim, no sentido de perpetuar a história de Olhão, bem como a memória das gentes marítimas, a Câmara Municipal de Olhão mandou construir a presente réplica do Caíque “Bom Sucesso”, a qual se destina a promover ações culturais e lúdicas através de visitas e de passeios, à vela ou a motor, em águas da Ria Formosa e ao longo da costa oceânica.
 

 

Características:


O Caíque Bom Sucesso é uma embarcação construída em madeira e tem uma lotação para 35 pessoas.

Tem as seguintes caraterísticas:
Comprimento: 18 m
Boca: 5,55 m
Pontal: 1,90 m
Tonelagem: 26,06 t

Como meio de propulsão, apresenta duas velas latinas com 150m2 de área vélica, dispondo ainda de um motor auxiliar de 160H.P.